Como o cérebro pode mudar ao aprendermos uma nova língua?

Autor(a):

Poucas experiências têm tanto impacto no cérebro quanto aprender um novo idioma por meio de bons Cursos Online: o controle constante da linguagem no cérebro do falante requer inúmeros processos mentais – a maioria inconsciente. Esses processos levam a mudanças na estrutura e função do cérebro que podem levar a benefícios cognitivos de curto e longo prazo.

Ao contrário do que se acreditava anteriormente, hoje a comunidade científica concorda que diferentes idiomas são processados ​​no mesmo local e ativados juntos no cérebro.

Isso significa que uma linguagem não é “desligada” quando outra é utilizada. Portanto, no objetivo de controlar e evitar interferências desnecessárias entre elas, o cérebro tende a empregar diferentes mecanismos cognitivos – muitos dos quais estão relacionados às chamadas funções executivas. Esses mecanismos não são necessariamente algo relacionado ao assunto linguístico, porém podem ser melhorados por meio do uso contínuo de uma segunda língua.

Vantagens de ser bilíngue

Segundo pesquisas de Cursos Online, o córtex pré-frontal é responsável pelas funções executivas, apoiado pelo Conselho Nacional para o Avanço da Ciência e Tecnologia (CNPq) Áreas do cérebro que são habilidades fundamentais para ações complexas, incluindo planejamento e tomada de decisão. Para pessoas que falam mais de um idioma, há evidências de que as habilidades são otimizadas, principalmente no controle inibitório e flexibilidade cognitiva.

O controle inibitório é fundamental dentro da capacidade de ignorar os possíveis estímulos e informações irrelevantes, permitindo que a atenção seja direcionada para atividades específicas nas quais uma pessoa deseja se concentrar. Ressaltamos que o controle é para permitir que as pessoas que falam mais de um idioma escolha o idioma certo para cada situação para evitar distrações de idiomas não utilizados.

Em pesquisas, é observado que os bilíngues são melhores em não cair em distrações. Isso é demonstrado no teste de Stroop, um teste neuropsicológico amplamente utilizado no qual as palavras são mostradas nomeadas em uma cor, porém impressas em outra.

Por exemplo, as letras da palavra “vermelho” serão pintadas de amarelo e os participantes do teste devem falar a cor da fonte (verde) sem ler a palavra (vermelho). Esta é uma situação de conflito onde informações menos relevantes (a própria palavra) competem com informações mais relevantes (a cor da fonte da palavra).

Podemos destacar que todo mundo sabe o quão importante é a fluência em um segundo idioma, mas ninguém parece se importar ou sempre dá desculpas para não aprender. Você sabe o que acontece com seu cérebro quando você aprende um novo idioma?

Benefícios de aprender um novo idioma

Aprender um novo idioma pode realmente aumentar o tamanho do seu cérebro. Como resultado, você se torna cada vez mais inteligente. Existem várias vantagens. Alguns dos mais importantes são:

• Melhor memória – ao treinar um novo idioma, a sua memória ficará mais forte e pode reter diversas novas informações;

• Melhores habilidades de tomada de decisão – pensar em outro idioma é mais lógico do que pensar em seu idioma nativo;

• Multitarefa – Por ser capaz de pensar em mais de um idioma, o cérebro eventualmente permite que uma pessoa faça mais de uma atividade, melhor do que uma pessoa monolíngue.

• Melhorar o idioma nativo – os bilíngues têm melhores idiomas nativos do que os monolíngues;

• Cérebros mais saudáveis ​​- os bilíngues desenvolvem doenças como demência quatro anos depois dos monolíngues;

• Novas oportunidades de trabalho – seja com carteira assinada ou como freelancer;

• Conheça novas culturas – aumente as chances de fazer amigos de diferentes países;

• Aumente seu conhecimento – falar vários idiomas permite que você possa encontrar novos tutoriais e Cursos Online Gratuitos que podem lhe ajudar a aprender um novo idioma.

Cérebros com mais opções trabalham mais

Os Cursos explicam com base em estudos que a principal diferença entre um cérebro monolíngue e bilíngue é o nível de ativação dos neurônios, a necessidade dos neurônios para realizar uma determinada atividade.

Neste estudo, os bilíngues catalão e espanhol, os monolíngues catalão e os monolíngues espanhóis receberam uma tarefa de nomeação de figuras. Quando os participantes nomearam os desenhos que viram, os pesquisadores realizaram exames de ressonância magnética funcional no objetivo de determinar quais partes do cérebro estarão mais ativadas durante cada tarefa.

Verificou-se que os bilíngues tiveram maior ativação em suas redes neuronais – grupos de neurônios conectados – principalmente no córtex pré-frontal mencionado (amarelo no canto inferior esquerdo do painel a). Cérebros bilíngues “trabalham” mais porque há mais escolhas a serem feitas.

Prevenir a deterioração mental

O aumento da ativação neuronal é um fator protetor de longo prazo para cérebros bilíngues. “É como se o exercício do córtex pré-frontal tornasse a cognição cada vez mais poderosa. Então, quando surgem doenças neurodegenerativas, o efeito é menor.

Pelo mesmo raciocínio, falar mais de um idioma pode retardar os sintomas de deterioração cognitiva, como, por exemplo, perda de memória e confusão. A grande maioria dessas doenças é por conta do envelhecimento natural ou por doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × cinco =